Como funciona o controle de ponto em hospitais?

with Nenhum comentário

Você tem um hospital ou uma clínica repleta de funcionários? Então, é bem possível que precise fazer o controle de ponto dos empregados, afinal de contas, controlar as horas trabalhadas é mais do que necessário. É uma economia para o seu negócio e ainda evita processos trabalhistas. Mas como se dá o controle de ponto em hospitais?

Bom, se você tem dúvidas sobre esse assunto e deseja melhorar a forma de fazer o controle de ponto, continue com a leitura. Confira!

Quais as particularidades de um hospital?

Não importa se você tem um hospital ou clínica, o que importa é que esses ambientes possuem algumas particularidades que outras empresas não apresentam.

Por exemplo, o regime de trabalho costuma ser de plantão e algumas pessoas trabalham por 12 horas ou 24 horas de forma ininterrupta. Por isso, o controle de ponto aqui é ainda mais importante. 

Permitir que um funcionário trabalhe mais do que devia e não dar o intervalo entre as jornadas pode oferecer muitos prejuízos. Por exemplo, um enfermeiro que esteja muito cansado pela quantidade de trabalho pode facilmente se atrapalhar com uma medicação e as consequências podem ser catastróficas.

Com os médicos pode acontecer a mesma coisa. A prescrição é algo de grande importância, pois fica registrado no prontuário do paciente.

E falando em médicos, sabemos que alguns deles têm o péssimo hábito de bater ponto em um local e trabalhar em outro. Com esses horários registrados é possível conferir depois se esse tipo de situação está acontecendo.

Como funciona a carga horária dos profissionais de saúde?

Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas… cada uma dessas categorias possuem uma carga horária máxima de trabalho prevista pela CLT e também pelo conselho de classe. Esse limite precisa ser respeitado.

É importante saber que, aos funcionários que dão plantão de 12 horas não é permitido fazer hora extra, nem mesmo as 2 horas permitidas por lei. O máximo de trabalho por dia deve ser de 10 horas (as 8 horas convencionais + 2 horas extras). Mais do que isso é ilegal.

Outro ponto interessante para quem trabalha neste regime de 12 horas por dia é que, o profissional deve ter um intervalo de, pelo menos, 36 horas para voltar ao trabalho.

E as horas de alimentação, banho, descanso e estudo entram na conta da jornada de trabalho? Sim, se for para descanso e alimentação, esses momentos entram na jornada e o tempo deve ser de, pelo menos, 30 minutos. Antes das mudanças, esse tempo era de 1 ou 2 horas diárias.

Qual o melhor controle de ponto para hospitais?

De acordo com a lei, qualquer empresa com mais de 20 funcionários precisa manter um controle de ponto. A questão é: qual é a melhor opção para um hospital?

Sem dúvida alguma, o modelo de controle de ponto manual está fora de questão. Além de ser extremamente ultrapassado, as chances de erros são enormes. Quanto maior a quantidade de funcionários, maior será a complexidade para o preenchimento da folha.

Manter um relógio de ponto eletrônico associado a um software é a melhor escolha. O hospital precisa cadastrar os funcionários no software e estes, por sua vez, precisam apenas colocar a digital no aparelho assim que chegam ao local para registrar os horários. Essas informações vão, de forma automática, para o software de forma organizada com os cálculos de horas já prontos.

Conheça mais sobre o nosso software e veja como o controle de ponto em hospitais pode ser bem mais simples quando feito desse jeito!

Compartilhe nas redes sociais!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *