Animais em clínicas odontológicas: é permitido?

with Nenhum comentário

Animais em clínicas odontológicas é um tema um tanto quanto polêmico e diverge as opiniões dos profissionais.

Normalmente, as clínicas não permitem a entrada de pets para garantir a saúde todos os seus pacientes e colaboradores.

Mas, em algumas situações e com os devidos cuidados, eles são permitidos e incentivados nesse espaço.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre animais em clínicas odontológicas.

É permitida a entrada de animais em clínicas odontológicas?

Todas as clínicas odontológicas passam por vistorias da Vigilância Sanitária, entidade responsável por identificar riscos para a saúde dos consumidores.

A entrada de animais em clínicas odontológicas, por sua vez, é proibida, uma vez que eles podem apresentar riscos para as pessoas que trabalham e estão se consultando lá.

A maior parte dos pets domésticos são vacinados para evitar as doenças mais comuns, como raiva, cinomose, hepatite infecciosa, leptospirose e parvovirose.

Porém, existem animais que não são vacinados corretamente ou, ainda, contraem doenças que não contam com métodos de tratamento ou prevenção.

As doenças mais comuns de cachorro que podem ser passadas para humanos são:

  • Raiva,
  • Doença de Lyme,
  • Micose,
  • Leptospirose.

Além disso, os animais também podem portar pulgas, carrapatos, protozoários, fungos, vermes e outros tipos de agentes transmissores de doenças.

Também deve-se frisar que por mais que os pets sejam domesticados, eles podem, acidentalmente, fazer suas necessidades nas clínicas, o que é anti-higiênico e pode causar constrangimentos.

Por todas essas razões acima, podemos afirmar que não é permitido animais em clínicas odontológicas normalmente, mas existem exceções para pessoas com transtornos que desejam tratamentos para sua saúde bucal.

Quando é permitido animais em clínicas odontológicas?

É permitido a entrada e permanência de animais em clínicas odontológicas quando eles têm função de suporte emocional.

Os animais de suporte emocional, conhecidos como ESAN (Emotional Support Animal), são pets de companhia que são indicados por profissionais de saúde para combater doenças como depressão, ansiedade e síndrome de pânico.

Normalmente, ao falar de animais de suporte emocional pensamos direto em cachorros, mas isso não é necessariamente verdade.

Gatos, cavalos, aves, peixes e até mesmo tartarugas podem atuar como suporte emocional para seus tutores.

Apesar dessa possibilidade de diversas espécies, é mais comum encontrar cachorros e gatos nessa função, principalmente por serem mais portáteis.

Eles podem ser levados em clínicas odontológicas, desde que fiquem na sala de espera. Inclusive, estudos já provaram que há a diminuição de ansiedade inicial dos pacientes na espera da consulta.

O que é preciso para permitir animais em clínicas odontológicas?

Apesar do animal de suporte emocional ser uma forma reconhecida de tratamento de doenças psicológicas e mentais, ele não possui um registro, como um cão-guia, por exemplo.

Por isso, para que sua clínica odontológica possa permitir a entrada desses animais, é preciso requisitar um atestado válido da condição mental ou psicológica do paciente que será atendido, assim como a carteira de vacinação do pet.

O paciente deve ser orientado que animais de grande porte não devem ser levados e que o tempo todo ele ficará na recepção.

Também é importante informá-lo que ele deve ir com acompanhante para cuidar do pet durante a consulta.

O animal deve permanecer o tempo todo no colo do dono e, caso precise fazer suas necessidades, deve ser levado para o ambiente externo da clínica.

Além disso, é importante que os outros pacientes que dividirão a sala sejam informados e, caso não concordem com a presença de um pet por motivos de saúde, como alergias, sejam remarcados.

Assim, você poderá receber animais em clínicas odontológicas garantindo a saúde e o bem-estar de todos os pacientes e colaboradores.

Agora que você já sabe mais sobre esse tema, compartilhe com os seus amigos de profissão para que eles também saibam!

Conteúdo produzido por Seu.dog

Compartilhe nas redes sociais!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *